Sustos pelos quais uma mãe passa!

Recordam-se de quando o Martim foi para o hospital com uma infecção urinária? Podem ler a história aqui.

Desta vez foi o Dinis que resolveu visitar as urgências do Hospital da Luz Arrábida.

Desde o dia 25 de abril que tanto o Martim como o Dinis estavam constipados. O Martim, aliás, estava cheio de expectoração, tendo passado por duas noites complicadas, sempre a tossir e a deitar fora a expectoração.

No domingo, o Dinis estava cheio de tosse, sempre com ranhoca no nariz, muito aborrecido, sem dormir e a comer pouco.

O que nos preocupou mais foi o choro. Ele chorava como nunca tínhamos visto e ouvido. Encolhia-se, gritava, esticava-se…

Como nesse dia eu tinha lhe dado pela primeira vez Ferrum, pensei que fosse alguma reacção ao medicamento e ele estivesse com dores.

À noite já ouvíamos o “ratinho” quando respirava, por isso fomos para o hospital.

Bronquiolite

Para quem não sabe, a bronquiolite é uma infecção viral das vias aéreas. Estas vias transportam o ar até aos pulmões, e quando o bebé está constipado, ficam obstruídas, o que dificulta a entrada e a saída de ar (ouve-se um chiar quando o bebé respira), e dificulta também a oxigenação do sangue. Por isso, a primeira coisa que fizeram ao Dinis no hospital foi medir o nível de oxigénio. Estava a 97%.

A medição do oxigénio é feito com um aparelho chamado óximetro de pulso, que é uma pequena luz que é colocada na mão do bebé. Tarefa difícil, pois o Dinis não estava quieto.

No entanto, esta não era a primeira vez que o Dinis media o oxigénio. Quando ele tinha 6 semanas tivemos de ir às urgências porque ele estava muito constipado e nós tínhamos receio que ele não conseguisse respirar, visto que com 6 semanas o Dinis ainda não sabia respirar pela boca. Nessa altura apenas teve de fazer umas nebulizações com soro fisiológico, e na mesma semana ficou bom.

Na maioria dos casos a bronquiolite é leve e passa em duas semanas, mais ou menos. Em situações mais graves, quando os níveis de oxigénio começam a baixar, por exemplo, as crianças têm de ficar internadas.

Os primeiros sintomas da bronquiolite são semelhantes aos de uma constipação normal, com o nariz a escorrer e tosse (tal como o Dinis).

Poderão surgir outros sintomas tais como febre, tosse seca e persistente, pouco apetite e a respiração rápida e com chiar. Check a tudo, excepto à febre. Isso o Dinis não teve.

Doente mas animado

Mesmo doentito, o Dinis continua muito animado e brincalhão. Na verdade nem parece que está doente, se não fosse por aquela tosse. Vamos no quarto dia de medicação. Já come e dorme melhor. E o narizito está mais limpo.

As bronquiolites afetam os bebés nos primeiros 2 anos de vida, e mais frequentemente entre os 3 e os 6 meses.

 

 

Espero que este episódio não se repita muitas mais vezes, mas, infelizmente, há certas coisas que estão fora do nosso alcance. O tempo não ajuda, ora chove, ora faz sol, ora está frio, ora está calor. São Pedro, vê lá se te decides!

Se quiserem saber mais sobre a bronquiolite, sintomas e quando se deslocarem ao hospital, leiam este artigo do Hospital da CUF.

 

O melhor elogio que poderei receber é partilharem e fazerem like no meu artigo. Vá lá! Elogiem-me!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.