Aquela pergunta que toda a mãe odeia

Temos de ser sinceras, por mais que gostemos de cozinhar e comprar as revistas de receitas do Continente ou Pingo Doce para nos inspirarmos, a verdade é que depois de um dia de trabalho a última coisa que queremos é pensar no jantar.

Pior ainda é quando nos perguntam “O que é o jantar?” e não “Queres que cozinhe hoje?”. Não sei como é convosco mas a mim só me apetece estrangular a pessoa que pergunta “O que é o jantar?”.

Podemos até já ter a ementa da semana feita e por isso já sabemos o que vai ser o jantar, mas estamos tão cansadas que apenas nos apetece sentar no sofá com um copo de vinho e ver o “Fixer Upper” ou algo parecido.

Ou então sou apenas eu…

A verdade é que por mais que um pai ajude em casa, a mãe é que acaba sempre por fazer a ementa da semana ou pensar nas refeições diariamente, até porque por norma quem faz as compras lá para casa é a mãe. Estou errada?

Inspiração (ou a falta dela)

Cozinhar dia após dia após dia é cansativo. Se forem como eu, não querem estar sempre a fazer os mesmos pratos. Querem inovar um pouco, surpreender a família. Aliás é por isso que acompanhamos blogs como A Pitada do Pai ou Papinhas da Xica. Sim porque para além que queremos ser diferentes, queremos ser saudáveis.

Alimentação Saudável

Vocês sabem que cá em casa temos tentado ser o mais saudáveis possível e o menos monótonos possíveis. Mas é difícil! Principalmente com o Martim que continua muito limitado na alimentação. Não prova nada de novo ou diferente e acaba sempre por comer o mesmo. Já o Dinis é diferente. Só quer comer e não se importa em provar coisas novas.

Por isso, temos de procurar inspiração em todo o lado possível e imaginável. Seja em revistas ou blogs ou sites ou até mesmo junto da sogra, para que ela nos diga como faz aquele assado que o pai tanto adora!

Mas mais importante do que procurar inspiração, é não stressar de mais com as refeições e fazer aquilo que melhor se adapta à nossa família e não aquilo que vemos no 24Kitchen, por exemplo.

Onde encontrar inspiração

Como já deu para perceber, eu costumo comprar as revistas do Continente e Pingo Doce para encontrar inspiração para receitas novas. Sigo também uma série de blogs culinários e adoro ver o The Food Nework. A verdade é que não sei inventar, por isso opto por receitas já testadas por outros. No entanto, grande parte das receitas não chegam a ser testadas cá em casa nem uma vez. E porquê, perguntam vocês? Porque não se adaptam à nossa família! Recordam-se: Martim esquisito e Dinis bebé?!

Aqui ficam outros sitios onde eu habitualmente encontro inspiração e quem sabe também vos possa inspirar:

  • A nossa Mãe. Porque não pedir aquela receita que tanto gostamos à nossa mãe, aquela que ela fazia quando eramos pequenos e estavamos doentes? Ou então à nossa avó? Ou até mesmo à nossa sogra. Aliás, ela cozinhou tanto tempo para o pai que de certeza que ela tem alguma receita especial que ele tanto gosta (aquele assado, sabem?);
  • Revistas e livros de culinária. tenho uma gaveta cheia de revistas e uma prateleira cheia de livros, desde livros de receitas infantis, ao Jamie Oliver e Nigella Lawson. cho que neste ponto saio a minha mãe. Ela guardava todas as receitas que saiam nas revistas cor de rosa. Tinhamos capas cheias de receitas e nunca as usavamos! Há um livro que eu acho que é uma herança e que todasas casas devem tê-lo que é Cozinha Tradicional Portuguesa de Maria de Lourdes Modesto de 1982. Este livro é uma relíquia e uma delícia. Não concordam?
  • Sites e blogs culinários. Todas nós temos acesso à internet e facilmente pesquisamos uma receita antes do jantar. O problema? Podemos não ter os ingredienes todos necessários. Por isso o ideal é pesquisar com alguma antecedência ou então adaptar a receita aos ingredientes que tivermos em casa. Para quem tem robots de cozinha, as próprias marcas disponbilizam sites de receitas de fans, bloggers e “da casa”. Por isso, as possibilidades são imensas;
  • Programas e canais de televisão. É só escolher. The Food Network ou 24Kitchen. Jamie Oliver ou Filipa Gomes. Masterchef USA ou Masterchef Australia (Australia sem dúvida!);
  • Comidas pré-prontas. Não há nada de mal em comprar comidas pré-prontas, assim de vez em quando, quando precisamos de um descanso dos tachos. Hoje em dia há sugestões muito saudáveis, como os Riced Veggies do Continente. ou então podemos “copiar” a receita e fazer em casa!
  • Pinterest. Estranha opção, certo? Mas a verdade é que o Pinterest é o segundo motor de busca mais utilizado para se pesquisar qualquer coisa. Desde receitas de pequeno-almoço a snacks, jantares e sopas, you name it! E o melhor é que apenas temos de guardar as receitas em Boards e depois quando quisermos é só clicar no Pin e vamos diretos ao site onde se encontra a receita. Easy peasy!
  • Restaurantes preferidos. Se vamos a um determinado restaurante, é porque gostamos da comida que lá cozinham, então porque não fazer uma versão mais caseira? Da próxima vez que forem a um restaurante, porque não dar uma olhada a ementa e verem aquilo que conseguem fazer em casa? Ficará mais barato e mais saudável, com certeza!
  • Take-away. O mesmo se aplica ao take-away. Porque não dar uma olhada à ementa do take-away e ver o que conseguem fazer em casa? Se costumam encomendar pizza, porque não comprar massa de pizza e ingredientes que todos gostam e fazer a pizza em casa? Ou então, uma versão mais saudável com base de couve flor, como esta aqui da A Pitada do Pai?
  • Perguntar aos amigos. Fizeram uma jantarada em casa de uns amigos e gostaram do que comeram? Entãao peçam a receita para inclirem no vosso menu semanal / mensal;
  • E por último, dar um tema a um dia da semana, ou a vários dias. Por exemplo, Segunda Mexicana; Sexta Vegetariana; Domingo Pizza. Assim conseguem reduzir a ementa e limitarem-se ao que se propõem. Se é pizza, é pizza. Não há muito que pensar. Aqui em casa, por exemplo, ao domingo à noite é canja de galinha e cachorro quente. Não tenho de pensar muito 🙂

E as outras refeições?

As outras refeições funcionam da mesma forma. Aqui em casa optamos por comer carne ao almoço e peixe ao jantar. Se fizermos arroz ao almoço, fazemos massa ao jantar. Tentamos alternar.

O pequeno-almoço funciona da mesma forma. Tentamos sempre variar e incluir sempre fruta laminada. As nossas preferências são tosta mista, torradas, panquecas e waffles. Tanto as panquecas como os waffles são muito versáteis. Basta acrescentar um ingrediente novo como cenoura, espinafres ou chocolate, e temos umas panquecas ou waffles novos. As papas de aveia também são muito versáteis, mas aqui em casa apenas comemos as papas de aveia feitas no forno, autoria da Manias de uma Dietista. Podem encontrar a receita aqui.

Para sugestões para pequenos almoços, cliquem na imagem:

Sugestões para pequenos almoços

Recursos

Não se esqueçam de visitar a página de recursos para obterem o Planificador da Ementa Semanal, assim como a Lista de Compras Semanal que vos ajudará a se organizarem durante a semana.

Até lá…

Sejam Reais!

Lívia

O melhor elogio que poderei receber é partilharem e fazerem like no meu artigo. Vá lá! Elogiem-me!
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *